O Decreto de Lei nº 6.926/81 determinou o dia 24 de janeiro como o Dia Nacional dos Aposentados no Brasil. A data foi escolhida para homenagear os empregados e empregadas que dedicaram uma vida de trabalho ao país e que, por meio de muita luta, conquistaram os direitos hoje usufruídos por todos. 

Infelizmente esse dia não é de comemoração. Os aposentados e pensionistas assistidos pela Funcef enfrentam muitas dificuldades para desfrutar do merecido descanso e da vida digna.  

A pesquisa Realidade dos Trabalhadores da Caixa, encomendada pela Fenae revelou que o aposentado da Caixa tem 40% da renda mensal comprometida com o pagamento de dívidas e cerca de 20% dos seus proventos implicados com o pagamento dos equacionamentos da Funcef. Quase 97% pagam, em média, R$ 1,6 mil por mês só de equacionamento. 

Os 40% restantes são insuficientes para pagar por moradia, alimentação, remédios, gastos com dependentes e todo o resto, o que os obriga a voltar para o mercado de trabalho mesmo depois de aposentados.  

Os problemas não acabam por aí. A renovação do convênio Funcef-INSS e a retirada da margem consignável do Credplan é uma preocupação desde dezembro de 2019. A Funcef restringiu o crédito obrigando a grande maioria dos aposentados e pensionistas recorrerem a outras fontes de empréstimos para arcar com seus compromissos.  

Outros assuntos “esquecidos” pela Fundação tiram o sono dos aposentados como a resolução 30 do CNPC. Há dois anos, os participantes esperam que a Funcef reduza as alíquotas mensais do equacionamento dos planos de benefício, mas nada acontece.  

Infelizmente, o Dia do Aposentado serve para lembrar que a luta não acaba com a aposentadoria. A retirada de direitos e retrocessos é um plano em curso dos gestores e governantes do nosso país.  Os aposentados têm pressa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *

Esse site utiliza o Akismet para reduzir spam. Aprenda como seus dados de comentários são processados.