Diversos veículos de imprensa destacaram as denúncias dos empregados da Caixa ao Ministério Público do Trabalho sobre a reestruturação – realizada arbitrariamente, sem aviso prévio ou negociação com os trabalhadores.

O portal BR Político informou que os empregados já estão sentindo os reflexos da reestruturação. “Trabalhadores da estatal em diferentes locais do país estão encaminhando denúncias ao Ministério Público do Trabalho para investigação de prováveis medidas discriminatórias neste processo de mudança”, alertou.

A Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa Econômica Federal (Fenae) ressaltou que a reclamação mais recorrente dos empregados é sobre o deslocamento para outras unidades, sem aviso prévio. As mudanças estão atingindo, principalmente, aposentados e incorporados.

O jornal Correio Braziliense destacou a opinião da Fenae sobre a intenção da direção da Caixa ao fazer a reestruturação – esvaziando 170 imóveis sem qualquer planejamento, aviso ou negociação com os trabalhadores. “O enxugamento do quadro de pessoal da Caixa Econômica é — na avaliação da Fenae e de outras entidades sindicais como também de congressistas — mais uma estratégia de privatização do banco”, advertiu a publicação.

O governo e a direção do banco público já estruturam a venda da Caixa Seguridade, Cartões e o Banco Digital, que ainda nem foi criado. Estas são áreas estratégicas e rentáveis da Caixa. Para a Fenae, as mudanças abruptas e a falta de respeito com os trabalhadores também são uma estratégia da direção comandada por Pedro Guimarães para pressionar os empregados a aderirem ao Programa de Desligamento Voluntário (PDV). “Com a saída dos mais de dois mil empregados no último Programa de Desligamento Voluntário, o déficit de trabalhadores na Caixa Econômica se aproxima de 20 mil, colocando em risco real a capacidade e a qualidade da assistência à sociedade”, advertiu Sergio Takemoto, presidente da entidade, ao Blog do Servidor.

 Dia de Luta também é destaque

Além das denúncias ao MPT, a Revista Fórum e o jornal Brasil 247 noticiaram o “Dia de Luta” dos bancários da Caixa e das entidades. Foram ações virtuais e presenciais em protesto à reestruturação e ao déficit de empregados. Houve mobilização dos trabalhadores e dos movimentos sindicais e associativos em frente às agências. Vestidos de preto, eles protestavam contra a privatização da Caixa e por mais contratações. Houve atos também nas redes sociais – de manhã um tuitaço com as hastags #MexeuComACaixaMexeuComOBrasil , #MaisContrataçõesMenosFilas e #CaixaRespeiteOEmpregado agitou a rede. As hashtags também foram projetadas em prédios de seis capitais — São Paulo (SP), Brasília (DF), Rio de Janeiro (RJ), Belo Horizonte (MG), Salvador (BA) e Fortaleza (CE).

“É preocupante o desligamento desses trabalhadores sem uma indicação do banco para a contratação de novos empregados. Além de piorar as condições de trabalho, a falta de bancários pode prejudicar o atendimento à população; especialmente, neste momento de pandemia”, disse Takemoto aos veículos.    

 

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *