36º Conecef une forças da categoria em defesa da vida

0
103

Com a participação de mais de 280 delegados e delegadas de todo o Brasil, chegou ao final o 36º Congresso Nacional dos Empregados da Caixa Econômica Federal (Conecef). O evento mediado pelo coordenador da Comissão Executiva dos Empregados da Caixa (CEE/Caixa), Dionísio Reis, e pela diretora da Confederação Nacional dos Trabalhadores do Ramo Financeiro (Contraf-CUT), Fabiana Uehara, foi realizado pela primeira vez de forma digital, em função o isolamento social imposto pela pandemia do novo coronavírus.

Com o mote “A distância não nos limita”, ao longo de mais de duas horas de transmissão, o evento contou com a participação de bancárias e bancários de todo o Brasil. Ao longo do Congresso virtual foram realizadas apresentações culturais e participação de diversos colegas.

Na fala de encerramento, Dionísio destacou o papel fundamental dos delegados e delegadas, que fizeram do evento um sucesso a partir das atividades realizadas nos congressos estaduais e regionais que debateram os temas dentro dos eixos e fizeram com que a vida fosse prioridade.

O coordenador da CEE/Caixa ressaltou que o 36º Conecef teve início com a realização de assembleias, congressos estaduais e regionais e contou com a participação de mais de 700 delegados e delegadas. “É fundamental destacar que é essa atividade de base que constrói a nossa minuta, as nossas reivindicações e que faz com que a gente esteja aqui nessa mesa e que dá segurança de falar o que a gente fala e defender o que a gente defende”, agradeceu.

Fabiana Uehara endossou as palavras do coordenador da CEE ao dizer que o Conecef é uma construção de todos os empregados. “O Conecef começa nos debates dos sindicatos, entre os empregados da Caixa, os Congressos Regionais, nas Federações e finaliza aqui. Mas é um processo, ainda temos que nos mobilizar, socializar o que nós aprovamos e fazer o enfrentamento, porque temos um cenário hoje de retirada de direitos”.

O debate sobre o Saúde Caixa, resumiu Dionísio, priorizou o fim do teto de gastos e que seja sustada a resolução 23 da Comissão Interministerial de Governança Corporativa e de Administração de Participações Societárias da União (CGPAR), que retira direitos dos trabalhadores das empresas estatais federais, como a Caixa. Além de tratar do déficit desse sistema.

Outro tema tratado durante o 36º Conecef foi a necessidade de defender a Funcef. Os delegados e delegadas aprovaram manifesto em defesa do fundo. Segundo o documento, é preciso que se restabeleça o respeito aos participantes ativos, aposentados e assistidos de todos os planos e benefícios. Leia aqui

Esteve também na pauta do Congresso a questão da vida, uma luta diária para empregados Caixa, que têm feito grande resistência e reivindicado protocolos de segurança e condições de trabalho.

Os bancários e bancárias debateram ainda a defesa das empresas públicas e da aprovação do PL 2715/2020, que tramita na Câmara dos Deputados e propõe a paralisação das privatizações até um ano após o fim do estado de calamidade pública.

O presidente Federação Nacional das Associações do Pessoal da Caixa (Fenae), Sérgio Takemoto, destacou a importância da união da categoria para seguir na luta para manter e avançar dos direitos da categoria.

“Nós vamos superar todos os desafios que serão enormes. Mas com a nossa organização e a nossa disposição de luta, eu tenho certeza de que nós vamos passar por esse momento. Como foi dito aqui a Caixa é imprescindível”, afirmou Takemoto.

Apresentações culturais

Os vencedores de edições anteriores do concurso Talentos Fenae/Apcef de 2019 foram as atrações culturais apresentadas ao longo da transmissão on-line do 36º Conecef, neste sábado (11).

Os participantes puderam acompanhar as apresentações dos colegas vencedores da edição 2019, Paulo Roberto Pereira de Araújo, da Apcef/PE, vencedor da categoria composição; Carlos César Costa, da Apcef/GO, segundo colocado na categoria composição; Luciano de Souza Santos Canabrava, da Apcef/BA, terceiro colocado na categoria composição; Murilo Timo Neto, da Apcef/DF, vencedor da categoria interpretação; Rodolfo Santiago Jordão de Almeida, da Apcef/PE, segundo colocado na categoria interpretação; e Laura Gabriela Lenzi, da Apcef/SC, terceira colocada na categoria interpretação.  Houve também a apresentação de Sarah Lugon, da Apcef/MG, vencedora do concurso em 2018, na modalidade interpretação.

Com informações da Fenae

DEIXE UMA RESPOSTA

Please enter your comment!
Please enter your name here